Se você gostar deste conto, escreva para gente!

Ulisses Azeredo
véspera do dia mais esperado do ano, o Natal. Na redação do site Nostalgia do Terror, a equipe liderada pelo editor Ulisses Azeredo prepara os materiais para a próxima atualização da página na internet, numa azáfama e atropelo comuns à essa época.
Súbito, o telefone toca. Roberta, a secretária, atende e logo depois passa para o editor, atabalhoado em seu computador.
- Ulisses, é o Mozart Couto, de Minas!
- Certo! Alô, mestre Mozart, como vai? – disse Ulisses, atendendo. – Feliz Natal prá você também, são os votos de toda a equipe do NT.
O dia prossegue com muitos telefonemas, com desejos de Boas Festas e Feliz Natal. No entanto, o editor Ulisses está preocupado. O material para a Nefasto Itiúbaatualização do site não está completo. O escritor Rogério Silvério de Farias, de Santa Catarina e o locutor Guto Russel, do Paraná, ficaram incumbidos de redigir e narrar o novo conto em áudio de Natal, mas até aquele momento nada havia chegado à redação.
Ulisses olhou para Nefasto Itiúba, auxiliar de auxiliar de Redação, e falou:
- Nefasto, seu abestado! Mande um e-mail urgente para o Rogério e outro para o Russel. Os dois sumiram e o site Nostalgia precisa ser atualizado até a meia-noite, antes do Natal!
- Já enviei, chefinho! – disse Nefasto, prestando continência ao editor-chefe. – Mas até agora, nada!
- Diachos, onde se meteram esses dois? – disse Ulisses, coçando o queixo, pensativamente.
- Chefinho, o Russel eu não sei, mas o Roger eu aposto que deve ter bebido muito vinho e se embebedado numa das praias do Sul. Nessa época, por lá, todo mundo bebe um pouco a mais.Roberta Menezes
- Vixe, Nefasto! Precisamos atualizar o site até meia-noite, senão os fãs do NT irão ficar decepcionados. O pessoal espera ansioso pela atualização especial de fim de ano!
- Certo, chefinho! Vou ver se consigo achar o telefone dos dois notáveis!
- Anda logo, cabra!
Meditabundo como um calango ao sol, Ulisses não sabe o que fazer se os materiais de Russel e Roger não chegarem a tempo para a atualização de Natal. “Valei-me nossa senhora, que farei?”
De repente, ouve-se estranhos ruídos. Todo o pessoal da redação espantou-se.
Eram ruídos que lembravam o bom velhinho, o Papai Noel: renas galopando, o deslizar do trenó, pequenos sinos tocando, e a velha risada de um toque sinistro... macabro.
Sim, era ele! O Caveirinha Sombrio, ou melhor, o Caveirinha Noel! Chegava com seu trenó feito de ossos humanos e puxado por renas Rogério Silvérioesqueléticas.
O pessoal da redação logo foi espiar pela janela.
- É o Caveirinha Noel! – gritou Roberta.
- Sim... Deus! olha lá, chefinho! – disse Nefasto, lambendo os beiços. – O Caveirinha Noel vem rodeado por ajudantes gostosonas, meio góticas!
- Nefasto, seu abestado! Aquelas são as famosas “Caveirétes” – disse Ulisses, desferindo um cascudo no coitado.
Roberta disse:
- Veja, Ulisses! O Caveirinha traz nas costas um grande saco, por certo, cheio de presentes!
- Obaaa! – gritou Nefasto, alegre, batendo palmas feito uma criança. - Tomara que o Caveirinha Noel tenha trazido meu videogame!
Ulisses abriu a porta da redação e o Caveirinha Noel foi logo entrando, Guto Russelchocalhando seus ossos, meio trôpego devido ao peso do saco que trazia sobre o ombro.
- E aí, Caveirinha? Trouxe os presentes pra toda a equipe do NT?
- He, He, he, he! Ulisses, seu nojento! Trouxe dois presentes especiais pra todos vocês da redação!
- Vixe, então rapaz, abra logo abestado! Estamos ansiosos para ver os tais presentes!
Caveirinha Noel colocou o grande saco sobre a mesa de trabalho do Ulisses.
Todos estavam ansiosos para saber que tipo de presente o Caveirinha Noel trouxera. E a surpresa foi geral quando o saco foi aberto!
Caveirinha "Noel" SombrioDe dentro saíram Rogério e Russel. Rogério segurava uma garrafa de vinho e estava de pilequinho, soluçando, enquanto Russel trazia consigo balas, caixas de bombons e presentes. Ambos cantavam, alegres e festivos:
- Feliz Natal, pessoal do Nostalgia do Terror!
Ulisses disse, meio enfezado:
- Roger, seu “tróço”! Você tomou todo o vinho que era pro pessoal da redação comemorar na noite de Natal!
E todos caíram em risos e gargalhadas, até mesmo o Caveirinha Noel. Todos com os espíritos desarmados, como convém a esta fantástica época do ano: o Natal, época de paz e confraternização!
 
 

Acabou